OFICINA: MANGÁ – ILUSTRAÇÃO e NARRATIVA

ATENÇÃO!!! Este amigo que vos fala vai ministrar uma oficina de mangá no Dínamo Studio, em Porto Alegre! Caso você seja fã e queria se aprofundar neste mundo tão rico dos quadrinhos orientais, venha conferir!

O gênero de quadrinhos japonês mangá é conhecido pelos seus conceitos, características marcantes e iconografias características. Nesta oficina estudaremos casos e exemplos de estilos, onde o aluno aprenderá através de atividades práticas como usar narrativas peculiares e intensas em seu estilo.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

  • Estudo dos diversos estilos de mangás. Diferenças entre shonem, shoujo,kodomo, gekiga, etc.
  • Estilização de formas e gags visuais características.
  • Dinamismo e narrativa na ação (cenas cinematográficas e luta corporal).
  • Energias e poderes (Explosões de magia e efeitos de cena).
  • Mechas” e Trajes: Criação de armaduras , armas e robôs.

 

QUANDO: Inicio 11 de Maio, com turmas a manhã (10h as 12h) e a noite (19h30 as 21h30);

ONDE: Dínamo Estúdio (Bairro Santa Maria Goretti – Passo D’Areia);

QUANTO: R$ 350,00 em até 12x;

INSCRIÇÕES AQUI.

Vagas limitadas, CORRE LÁ!!!

Anúncios

SHINGEKI NO KYOJIN – ATTACK ON TITAN

Sabe quando você está navegando pela net e começa a enxergar com uma certa frequência algumas imagens que te chamam a atenção? Pois foi assim que conheci Attack on Titan (Shingeki no Kyojin). Fui atraído pelas imagens de guerreiros saltando encima de gigantes, e aos poucos fui conhecendo mais desta obra tão interessante e que tem feito um grande barulho.

A HUMANIDADE EM CATIVEIRO

No futuro, a humanidade quase entrou em extinção após o surgimento de criaturas humanóides gigantescas e de inteligência aparentemente baixa que receberam o nome de titãs, que devoram humanos apenas por prazer. Os sobreviventes montaram uma fortaleza para se protegerem destes seres e ficaram seguros por mais de 100 anos. O jovem Eren Jaeger vive se metendo em encrencas por acreditar que os humanos deveriam deixar de se esconderem atrás das paredes e enfrentar o perigo dos titãs, mas para a grande parte da população a vida segura na fortaleza é o suficiente e a ameaça das criaturas se torna coisa do passado. Inesperadamente surge um titã colossal, maior do que as paredes que protegiam a cidade, e com um golpe abre passagem para que os titãs possam invadir e devorar os humanos. Eren e sua irmã adotiva Mikasa conseguem escapar, mas testemunham uma das criaturas devorar sua mãe, fazendo o rapaz jurar que derrotará toda elas.

O mangá é publicado nas páginas da Bessatsu Shonen Magazine des de 2009 e é um sucesso de vendas, sendo adaptado para anime em abril de 2013 pelo WIT Studio. Os personagens usam um equipamento de ganchos para caçar as criaturas, fazendo as perseguições e ataques se tornarem cenas de ação desenfreadas. O anime lembra um pouco outras obras do gênero: O tom violento e dramático faz lembrar Claymore, porém os personagens carismáticos remetem a Sword Art Online. A série gerou um mangá Spin-off chamado Shingeki! Kyojin Chügaku (Attack! Titan Junior High) e um jogo para smartphone, Shingeki no Kyojin -Hangeki no Tsubasa, (Attack on Titan: The Wings of Counterattack). Um game para consoles e um filme live-aaction estão sendo produzidos.

Com uma trama interessante e muita adrenalina, Attack on Titan passa um clima de desolação, mostrando a humanidade acuada como ratos e tentando reagir a inimigos muito mais poderosos. A qualidade técnica é primorosa e a trama tem um potencial gigante, praticamente “titânico” que justifica o sucesso da série, vale a pena conferir.

Mais Informações: Attackontitan

SWORD ART ONLINE: FAIRY DANCE

Faz algum tempo eu fiz AQUI um post sobre um anime recente chamado Sword Art Online. Com o enorme sucesso da primeira temporada, foi anunciado no Japão a segunda temporada que receberá o nome de Sword Art Online: Fairy Dance.

DANÇA DAS FADAS

Esta nova temporada vai corresponder aos capítulos 3 e 4 da Light Novel. Eu não estou acompanhando o mangá ou a light novel, mas pelo que entendi a trama segue após os acontecimentos do fim da primeira temporada, onde os personagens são desconectados de SAO, mas Kazuto precisa entrar um um nojo jogo onde Asuna acaba presa – Alfheim Online. Novas regras, habilidades e perigos se escondem neste mundo onde os avatares remetem a aparência de fadas.

Eu tenho gostado bastante da trama no anime, que consegue mesclar histórias de aventura, comédia e romance na medida exata. Acredito que esta nova temporada venha deixar o universo do anime mais rico, com elementos novos a serem explorados. A estreia da segunda temporada está prevista para a próxima semana. Segue abaixo um preview com trechos da música de abertura e encerramento (Innocence e Overfly, respectivamente).

Fonte: Portal SAO Brasil

SWORD ART ONLINE

Faz um tempinho que eu não posto uma recomendação de anime aqui, então hoje vou quebrar este jejum. Eu estava navegando e encontrei um anime que estreou no Japão em julho chamado Sword Art Online (também conhecido com SAO) – Uma história que pega elementos bem atuais nos dias de hoje como MMOs e pessoas conectadas na rede praticamente 24h.

JOGO DA MORTE

A trama se passa em 2022, quando um famoso MMORPG (Multiplayer Massive Online RPG) que conecta a mente do jogador em uma total imersão de realidade virtual é lançado, seu nome é Sword Art Online. Porém quando mais de 10 mil pessoas estavam conectadas no jogo, o criador surge e retira a opção de desconectarem do mundo virtual, as desafiando a vencerem os 100 andares de uma fortaleza voadora (a cada andar a dificuldade aumenta) para ganharem a liberdade, e se morrerem ali dentro, seus cérebros também morrerão na vida real. O protagonista é o jovem Kazuto (Kirito) Kirigaya, que já havia jogado a versão beta do jogo e agora luta para aumentar suas habilidades e vencer os 100 andares deste jogo mortal.

A História surgiu como uma Light Novel (Romances ilustrados muito famosos no Japão) nas mãos de Reki Kawahara (também criador de Accel World) e ilustrações de Abec. Com o sucesso vieram três mangás: Sword Art Online: Aincrad, Sword Art Online 4koma e Sword Art Online: Fairy Dance (publicados na Dengeki Bunko Magazine), um anime de 25 episódios (pelo estúdio A-1 Pictures) e um game para PSP (pela Bandai Nanco).

SAO não é original, mas é divertido e tem potencial para abordar temas interessantes do mundo virtual. Os personagens são cativantes, a trilha sonora incidental dentro do anime é muito boa e animação é simples e bem acabada. Vale a pena dar uma olhada.

Mais Informações: Portal SAO Brasil

COSPLAY NO DIVÃ

Há muito tempo, os animes e mangás saíram do pequeno Japão e se espalharam pelo mundo todo. Com eles, várias outras coisas migraram juntas na bagagem, umas delas é a atividade de COSPLAY: Do inglês Costume Player, é quando uma pessoa se caracteriza para ficar igual ao personagem a qual ela é fã. Mas durante minhas experiências em eventos de anime, reparei que algumas pessoas não conseguem ser muito felizes nesta onda…

Nos mangás e animes, os personagens costumam usar adereços estranhos, cabelos coloridos, ou ter um porte peculiar… Mas tem fã que ignora tudo isso. Não tem problema se o fã é magro feito a fome e seu personagem é um dos maiores lutadores do mundo; Não tem problema se seu o fã só tem papelão ou E.V.A. para reproduzir a armadura de metal de seu personagem; Não tem problema se o fã só tem isopor para fazer as armas gigantes do personagem; e de uns tempos pra cá, nem o sexo é barreira. Se o personagem é homem e o fã é mulher, faz igual, e vice-versa.

Pompas! Se quiser fazer um cosplay, tenha dignidade (e o mínimo de bom senso) para fazer um cosplay que você esteja habito tanto fisicamente quanto monetariamente. Eu só considero como cosplay aquele que é bem feito, que realmente lembra o personagem e que o fã se puxa até para representá-lo, os que não se enquadram neste gênero são os COSPOBRES e os COSFREAKS.

Fazer cosplay não é uma coisa barata (a não ser que você pegue algum personagem que use roupas cotidianas – o que é raro e às vezes sem graça), é necessário investimento para fazer roupas, acessórios, maquiagens e afins, na intenção de tornar real aquele personagem que só vive nas páginas e na tela da TV. Quando alguém não tem um tostão furado, um corinho de rato no bolso, e o que sobra é muita vontade e pouca vergonha na cara, temos um cospobre. O cospobre ignora materiais, pra ele tudo pode ser usado para sua caracterização (as campanhas de reciclagem são pro-cospobres), eles conhecem fazem do E.V.A. seu BOM BRIL, extraindo 1.001 utilidades. Muitas vezes as roupas se quer lembram o personagem, então ele se vale da representação e das cores características do mesmo.

Quando você não tem recursos, vergonha na cara e tem muita vontade, você é um cospobre, mas quando você tem recursos e vontade, não tem vergonha na cara e nem noção, você vira um COSFREAK. Aqueles que se enquadram nesta categoria ignoram qualquer barreira para fazer sua fantasia. Muitas vezes investem horrores na confecção de uma roupa ou armadura… Mas eles em si não parecem em NADA com o personagem, muitas vezes nem sendo se quer do sexo do mesmo (Atire a primeira pedra quem nunca viu um gordo de Sailor Moon). Meu amigo, se você quer fazer um cosplay de personagem de Chaves e você é gordo, faça o Sr. Barriga ou o Nhônho, não o Kiko, Chaves (ou Chiquinha), e se quiser fazer o Sr. Madruga, desista… Não é preconceito com os gordos, mas caramba, se seu personagem tem o corpo em dia, ou você se esforça pra ficar igual ou então procura um personagem gordo, têm tantos por ai. Isso também serve para aqueles que querem fazer personagens marombados, meu amigo, tente ao menos ganhar uma definição muscular ai nas suas bisnaguinhas Seven Boys que você chama de bíceps, ou faça um personagem Shojo (neste gênero homens e mulheres tem a mesma massa muscular, só muda a altura e roupa). No caso de pessoas negras como eu, é complicado achar nas histórias japonesas personagens de nossa cor, normalmente eles têm o cabelo muito bizarro. A solução é investir então em personagens que possuem cores bizarras mesmo, como o Piccolo, Noturno, Blanka, ou mesmo os Super-Sentais e Mechas, que cobrem o corpo todo.

Ainda tem pessoas que gostam tanto de seus cosplays, que não vêem problema algum em sair na rua usando eles, mesmo que estejam com perucas multicoloridas, mantos cobrindo o corpo, faixas, asas ou vestidos, este é o caso das pessoas que seguem a moda do “Chique Cosplay”. Existem tantos personagens com roupas bacanas que se você retirar os acessórios se torna uma roupa bacana pra uso cotidiano… Mas pra isso é necessário TIRAR os acessórios.

Antes que eu seja atacado por uma horda de cosplayers que venham até a sessão de comentários com tochas e foices nas mãos, quero dizer que eu acho muito bacana um cosplay bem feito. Tenho amigos que conseguem fazer caracterizações realmente impressionantes. Mas para aqueles a qual o chapéu serviu, eu só tenho a lamentar… Lamentar por quem tem que bater os olhos em vocês.

PS. Se você precisa de um manual de sobrevivência em eventos de anime, veja a revista DEBILOID’S, O EVENTO!!! do meu amigo e colega de estúdio Rogério de Souza, imperdível. 😉