WORKSHOP: DESBLOQUEIO CRIATIVO

Salve pessoal! O Dínamo Studio estará com vários workshops de férias neste inverno, e eu estarei ministrando o workshop de DESBLOQUEIO CRIATIVO!

Através de atividades práticas, apresentarei técnicas simples para serem usadas no dia a dia, atividades em grupo que trabalharão a imaginação e o improviso na solução de problemas recorrentes a todos aqueles que usam a criatividade no meio visual, com uso de referencias e recursos ao alcance do artista.

QUANDO: 23 e 30 de Julho (quintas-feiras).

DURAÇÃO: 6 horas – em duas aulas de 3 horas cada

HORÁRIO: 15h ás 18h;

ONDE: Dínamo Estúdio (Bairro Santa Maria Goretti – Passo D’Areia);

QUANTO: R$ 150,00;

INSCRIÇÕES AQUI.

Vagas limitadas, CORRE LÁ!!!

FAZER A BANGÚ OU COM MUITO PREPARO?

Estou trabalhando no meu projeto de quadrinho cyberpunk ainda anônimo, e para ter um ritmo de produção que não interfira nos meus estudos e outros trabalhos quero algo que seja dinâmico de fazer. Durante a composição deste estilo de trabalho me deparei com uma dúvida: Faço tudo sem muito planejamento e vendo no que dá, ou estruturo primeiro direitinho do começo ao fim antes de por a mão na massa?

NO IMPULSO

Um método que prioriza a produção antes do planejamento é bom no sentido de que você estará vendo a coisa tomar forma, e com o material ganhando vida vai conseguir manter um ritmo bom e se empolgar para prosseguir. O problema de um método assim é acabar se perdendo nas ideias, travando em algum problema de roteiro que não havia sido previsto, não poder acrescentar elementos que conduziriam para um final melhor por não ter pensado nestas ideias desde o começo, não fechar pontas soltas que se tornaram irrelevantes no decorrer da trama. Um método feito de forma livre e sem planejamento algum pode perder a linha em algum momento, é como andar num labirinto as cegas.

COM PREPARO

Com planejamento você estrutura a base de toda a trama, personagens que irá usar, ritmo dos acontecimentos, pode acrescentar pistas de uma reviravolta desde o começo, tem um controle melhor de tudo. Fazer as coisas com preparo é bom, mas existe o risco de ficar preso no preparo e acabar não dando o primeiro passo. Por querer deixar tudo perfeito, o artista pode ficar mexendo e remexendo no seu plano antes de começar, o que muitas vezes se torna uma prisão devido a margens de ideias novas que surgem e das influencias que não param de gritar. Sem falar que por não ter começado ainda, ficará sem ver a obra ganhando vida, o que pode acabar causando desanimo e a tentação de começar outro projeto. É como ficar reunindo equipamentos e mapas para entrar no labirinto, mas não entrar por não ter certeza se está preparado ou não.

EQUILÍBRIO

Deve haver um equilíbrio entre os métodos: Criar um planejamento simples, uma estrutura base de começo, meio e fim e já ir produzindo com isto, segundo um ritmo dentro do que foi planejado. Um planejamento base também servirá para restringir as ideias e manter o foco, pois algo aberto demais e com muitas escolhas acaba dando margem a desvios e voltas que atrasam a produção.

Tentarei seguir esta linha de ideias e espero ter algum resultado pra mostrar aqui do projeto já semana que vem. Qual o seu método? Já teve algum problema assim na hora de montar uma rotina de trabalho? Deixe sua experiencia nos comentários, até mais!

USANDO O TEMPO A SEU FAVOR

Faz séculos que não posto nada por aqui, e não foi por falta de ideias, mas sim por acumular muitos afazeres e ter que fazer malabarismo pra dar conta de tudo. Estes últimos meses foram um pouco complicados, porém cá estou e pretendo falar da organização de tempo para se dedicar a hobbys em meio a tantos afazeres. O TEMPO PASSA, O TEMPO VOA… No nosso dia-a-dia temos compromissos como estudos, trabalhos, academia, etc, e muitas vezes acabamos não tendo tempo para trabalhar nossa criatividade, ou ficando sem energias para estas coisas, querendo apenas descansar do stress. Uma coisa que aprendi nestes meses é que é possível sim administrar seu tempo para fazer os compromissos, ter tempo para seus trabalhos e hobbys, e ainda conseguir descansar para restaurar as energias gastas durante o dia – Porém exige MUUUUITA dedicação e disciplina, e nem sempre estas são coisas fáceis de se conseguir. Eu poderia listar aqui mil fórmulas ou aplicativos de celular que ajudam a montar formas de administrar seu tempo, porém em muitos casos elas não funcionam (pra mim ao menos não funcionaram), afinal cada pessoa tem uma rotina e um ritmo e a que funciona pra um estudante jovem pode não funcionar pra um empresário que viaja todos os dias. Vou apresentar algumas dicas simples, coisas que ajudem a você manter um ritmo e um ânimo, e coisas que possam permitir criar mesmo em dias corridos, vamos lá?

  • Carregue sempre uma caneta e um bloco de papel ou caderno pequeno, assim quando você estiver em uma fila de banco, dentro do busão ou preso no trânsito poderá usar o tempo a seu favor;
  • Mantenha a mente ativa, leia notícias, converse com outras pessoas, assista filmes de todo tipo. Receba informação para que sua mente possa trabalhar e usar a seu favor;
  • Evite distrações no momento que estiver trabalhando, pois foco é essencial. Coloque o celular no silencioso, de uma folga pras redes sociais, e guarde alguns minutos para mergulhar no seu afazer;
  • Crie uma rotina e estabeleça horários para poder ter um controle melhor de tudo que você faz, nem que pra isso precise de uma agenda;

Estas são algumas que lembrei agora, a qual também pretendo colocar em prática e com isto voltar gerar conteúdo aqui no blog, pois eu tenho muita coisa acumulada pra criar, muitos assuntos a compartilhar e muitas histórias pra contar. Veja também um post antigo sobre manter o foco e bem-estar clicando AQUI. Deixe aqui nos comentários como você lida com o tempo e suas atividades, acrescente mais a esta conversa, será ótimo conhecer novas maneiras de trabalhar isto. Até a próxima!

A MISTERIOSA FONTE DA INSPIRAÇÃO

Após meses trabalhando em outros projetos eu consegui encontrar o ritmo para trabalhar novamente no reboot do meu projeto autoral Dragão Escarlate, e desta vez as peças estão se encaixando perfeitamente. Mas de onde o surgiu esta inspiração? Como eu consegui finalmente acertar o caminho? Vamos tentar entender?

A BUSCA DA RE-INVENÇÃO

Há um bom tempo eu estou planejando o reboot da Dragão Escarlate, um projeto de quadrinho que eu havia iniciado no formato de fanzine em 2003 e possui nove edições lançadas. Eu senti necessidade de fazer um reboot pois quando eu comecei este projeto eu entendia muito pouco de quadrinhos, não possuía o habito de ler livros e nem entendia de técnicas de narrativas. Com o tempo fui percebendo que com a base que eu possuía, eu não poderia fazer este projeto ter a qualidade que eu gostaria que tivesse.

Passei a escrever e reescrever a trama milhares de vezes, repensar personagens e suas funções dentro da trama. A base desta história foi uma campanha de RPG em um cenário de fantasia medieval que eu mesmo criei, mestrada pelo meu irmão e jogada por mim e meus amigos. A princípio eu estava tentando me basear fielmente na aventura, mas fui percebendo que era necessário realizar algumas adaptações para que a história funcionasse nos quadrinhos.

Fiquei meses e meses organizando a trama e a separando em capítulos, mas sem saber como passa-lá para um roteiro satisfatório. Foi então que passando uns dias na casa dos meus pais, durante uma conversa com meu irmão e uns amigos eu acabei pegando o computador e o roteiro simplesmente foi saindo, fluindo naturalmente. Eu estava conseguindo lembrar da linha de pensamento dos personagens e do tom que eu queria dar a história.

INSPIRAÇÃO DIVÍNA?

Eu não acredito em inspiração mágica ou algo do gênero. Acredito que inspiração vem de pesquisas em referencias e da observação do que acontece, afinal o mundo é a maior das fontes de ideias. Talvez por ter quebrado minha rotina e entrado em contato com pessoas diferentes eu tenha conseguido este insight para voltar a escrever. Eu possuo ao meu alcance muitas fontes de referencia, mas só quando em um novo ambiente eu consegui aquilo que eu tento procurava. Desde então eu tenho escrito um pouco por dia para não perder o ritmo, e quando preciso de ideias eu  recorro a filmes, quadrinhos ou até mesmo músicas. Sei que se eu novamente perder o ritmo vai ser difícil encontra-lo.

Quando você fica com a mente estagnada em uma rotina, fica difícil encontrar saídas para os problemas que surgem. Quando isso acontece o jeito é fugir de seu mundo, enxergar respostas em coisas inusitadas, deixar que o universo fale ao seu ouvido e apresente soluções que você não enxergaria em outro cenário.

É MELHOR NÃO PENSAR MUITO NISSO

Nem tudo que vemos no mundo são criações geniais (alias, a grande maioria não é) e devido a isso acabamos nos deparando com obras sem eira nem beira, que fogem da realidade ou não possuem bases sólidas. Mas será que vale a pena ficar tão “Caxias” com tudo?

O maior exemplo disso são aqueles filmes que se você parar uns dois segundos para analisar o roteiro, vai notar um furo enorme, ou aquelas cenas em que na física praticamente não existe. Eu tento ter boa vontade enquanto assisto a um filme, deixar a mente aberta e me entreter com a obra pelo seu conjunto, descartando ocasionais furos, porém algumas vezes fica impossível deixar passar e você acaba pegando um asco pela tal película. Eu usando como exemplo filmes, mas isto se aplica a qualquer tipo de arte, desde livros, quadrinhos, teatro e por ai vai. Mas existe diferença entre furos por incompetência do artista e obras que fogem do real por serem fantasiosas.

Nem tudo deve ser coerente quanto a realidade, pois se tudo fosse extremamente realista seria terrível. Existe a chamada “licença poética” que é uma espécie de permissão concedida para o artista poder ter liberdade criativa. Um bom exemplo são filmes que se enquadram no sub-gênero ficção-científica como STAR WARS, onde existe som no espaço durante as batalhas de nave. Como roteirista e escritor nas horas vagas eu posso dizer, é muito difícil ser criativo quando se está preso as amarras da realidade, e acredito que a arte existe justamente para ser o agradável doce para tirar da nossa garganta o gosto amargo da realidade que temos que encarar no dia-a-dia. Eu gosto de fantasiar e escrever loucuras, e quem quiser ver realidade, vai olhar a janela da sua casa. É necessário se conhecer a realidade para poder distorce-la. Já ouvi muitas pessoas falarem que o pintor Picasso não sabia desenhar por fazer aqueles quadros com a figura humana distorcida, mas não sabem que ele já fez muitas coisas realistas, e fez aquilo encima do conceito que ele já conhecia.

“A mente é como um para-quedas, só funciona quando se abre”. As obras podem ser fantásticas, sem pé nem cabeça ou totalmente surreais mas ainda assim possuírem coerência enquanto arte, enquanto obras calcadas no real podem possuir tremendos furos e serem terríveis. Acredito que toda obra merece o benefício da dúvida e alguns minutos para ver se presta ou não (salvo exceções de coisas que são tão lixosas que não merecem nem um milésimo de atenção). Não descarte um obra inteira por ocasionais furos, as vezes em meio as enormes crateras você  pode encontrar algo bem interessante.

TRILHA SONORA PARA TRABALHAR

Quando você trabalha com desenho, escreve roteiros ou qualquer outra coisa que exija a criatividade, acaba por muitas vezes adquirindo certos “rituais” para deixar a mente fluir e permanecer produzindo. Eu acredito que uma boa forma de conseguir um clima bom de trabalho é através da música.

Eu várias vezes tive problema de “branco” mental, falta de ideias para resolver uma página ou mesmo para desatolar aquela maldita cena de um roteiro. Existem muitas formas de se sair disso, como assistindo a um filme ou conversando com outra pessoa sobre algum assunto diverso, mas como evitar de cair nestes abismos da criatividade?

Eu acredito que através de uma boa trilha sonora a pessoa consegue se manter no clima do trabalho, mas deve ser a música certa. Vamos ver algumas dicas para se criar a trilha sonora ideal para seu trabalho:

  • Procure músicas que tenham a ver com o tipo de trabalho que você esta fazendo (tecno para sci-fi, rock para cenas de ação…);
  • Trilhas sonoras de filme são muito boas para isso, pois normalmente seguem um tema e costumam ter muitas músicas ambientais;
  • Evite músicas com letras que você conhece, pois pode acabar se distraindo ao cantar junto;
  • Trilhas sonoras de jogos também são muito boas, afinal são músicas feitas para ambientação de cenários e coisas assim;
  • Dicas de trilhas de filmes: Conan: O Bárbaro, The Matrix, Inception, Tron Legacy;
  • Dicas de trilhas de jogos: Série Castlevania (principalmente Synphony of the Night), Chrono Cross, Série Final Fantasy;

Trilhas sonoras são muito pessoais, você deve escolher as músicas que te deixem num bom astral e com energia para realizar suas tarefas. Agora monte sua trilha sonora e mãos a obra.

COMO O RPG PODE AJUDAR UM ESCRITOR?

Se você já tentou escrever uma história, sabe o quanto é complexo desenvolver todo um mundo e fatos coerentes para seu universo. Muitas vezes acabamos travando, pois apesar das dezenas de filmes, livros – e até mesmo histórias de sua vida – as vezes parece que falta algo um pouco mais louco para você poder resolver aquele ponto empacado de sua trama. para isso, uma boa partida de RPG é um santo remédio.

Antes de mais nada, caso você não saiba, RPG significa Role Playing Game, e se trata de um jogo de interpretação de personagem onde uma pessoa narra uma história e outras participam com personagens criados por elas mesmas. As ações dos personagens e acontecimentos são decididos através de dados, que de acordo com o resultado dizem se a ação foi ou não bem sucedida.

Em uma partida de RPG é necessário o uso da criatividade e da improvisação, o que acaba por deixar a aventura imprevisível – e é ai que a coisa fica boa. A infinidade de possibilidades que o RPG trás permite que o escritor tenha a sua disposição várias deixas (como aquela frase única que o personagem de seu amigo disse, ou aquela falha épica nos dados que resultou em uma mudança de rumo na aventura).

Quando se precisa contar uma história, seja um roteiro de quadrinhos ou um livro, é normal buscarmos fatos que aconteceram em nossas vidas, histórias que já vimos ou ouvimos de outras pessoas para usarmos de referência em nossa obra. Porém é necessário ter a perspicácia para saber o que se pode aproveitar da história em si no seu trabalho. Um bom mestre de RPG sabe usar ganchos, coisas que viu em um filme ou que alguém falou e podem ser relevantes em sua trama, dai é só deixar que os jogadores façam sua parte e moldem a coisa de uma maneira totalmente nova.

Você pode também usar o RPG como forma de testar o universo que você criou para sua história, resolvendo problemas e até criando background para o seu mundo. Quando criei a trama e o universo da minha revista Dragão Escarlate, eu não sabia como desenvolver as coisas, por isso montem todo um cenário de RPG para que meu irmão mestras se e meus amigos jogassem, e hoje uso estas aventuras e personagens como base para meu roteiro.

Acredito que jogar RPG é um excelente exercícios de criatividade, principalmente para quem mestra, sem falar que é um rica fonte de ideias para excelentes tramas. Então junte um punhado de amigos, pegue seus dados e vá rolar algumas aventuras.

Para fechar com chave de ouro, deixo para você os vídeos feitos pelo hilário grupo Blame Society Films (responsáveis por sucessos como Chad Vader) com o incrível D&D MONSTER MAN, capaz de recriar (?) os sons de qualquer criatura dos livros dos monstros de D&D nas mais diversas situações.