DO QUE VOCÊ TEM MEDO?

“VOCÊ! VOCÊ! E TODOS VOCÊ!

A praga do dia! Que os monstro do além que habitam os sete círculo do inferno venham no meio da noite dilacerar teu corpo e levem tua alma para as profundezas!!! Isso se você não ler o post de hoje!!!! MWA! HÁ! HÁ! HÁ!”

Com esta praga de Zé do Caixão que começo mais um post temático. Neste dia 31 de outubro eu não poderia deixar de fazer algo referente ao Halloween! Vamos neste post abordar o medo. Este sentimento instintivo que muitas vezes gostamos de sentir e que os pais usam como forma de controle das crianças. Vou falar um pouco dos meus medos de infância, de filmes, games e outras coisas que dão cagaço.

MEDOS DA INFÂNCIA

Quando pequeno, eu tinha medos de muitas coisas. Lembro que todas as noites eu tinha pesadelos, tanto que eu chorava para não ter que deitar, e quando ia pra cama ficava com os olhos abertos sem piscar para evitar dormir. Como sempre eu acabava dormindo e acordava chorando muito por causa dos pesadelos. Minha mãe me levou então numa benzedeira, e ela disse para mim mãe orar comigo todas as noites antes de dormir, e dai parou. Eu tinha muito medo de cachorro, os vizinhos sabiam que eu estava perto porque eu saia correndo e gritando de qualquer cão – não importava o tamanho. Consegui superar o medo em um dia que um cachorro do vizinho que adorava me perseguir (chamado “Killer”) se assustou quando eu estava usando uma máscara do Batman que eu ganhei.

Lembro claramente a primeira vez que eu enfrentei um medo de frente. Lá pelos meus 5 ou 6 anos eu tinha dois vizinhos mais velhos que eram uns capetas, e muitas vezes gostavam de aprontar comigo quando eu estava na casa deles. Um dia eu estava brincando com um deles e o outro havia sumido, então o que estava lá começou a falar de um monstro da casa, dai começou a aparecer uns barulhos e me surge o outro irmão com uma roupa toda preta e uma máscara de monstro (pra me pilhar, o que estava comigo também se fez de assustado). Fiquei apavorado correndo e gritando. A partir daquele dia ele começou a usar aquela roupa direto pra me assustar, mas teve um dia que eu decidi que não me assustaria mais. Era noite, eu estava sozinho no quintal da minha casa e ele veio até mim, fiquei parado olhando. Ele começou a gritar, me ameaçar e tudo mais, chegando bem perto e pedindo se eu não tinha medo, e eu tremendo e com os punhos cerrados respondi que não. Depois de muitas tentativas ele desistiu e foi embora desanimado. A sensação de ter encarado algo que me aterrorizava de frente foi libertadora.

FILMES E JOGOS

Eu era meio ressabiado com filmes de terror quando pequeno, tanto que havia uma locadora na minha infância que eu não gostava de entrar porque o corredor da porta era de filmes de terror, e eu tinha medo das capas (a sessão infantil ficava lá no fundo). Foi uma superação de medo ter que atravessar o corredor de terror. Um dia meu irmão foi ver um dos SEXTA-FEIRA 13 e eu quis ver junto, pra aliviar ele começou a tirar sarro das cenas trashs e ao fim o filme virou comédia pra mim. O filme que mais me dava medo na infância era E.T. – O EXTRATERRESTRE. Não era um filme de terror, mas aquele bicho era MUITO escroto, e pro meu azar ele passava TODO fim de ano na Globo. Engraçado que mesmo tendo medo dele, eu fazia muitos desenhos do E.T. A MOSCA foi um filme que quando pequeno eu tentei ver, mas ficava saindo da sala a cada cena gore.

Hoje em dia me tornei muito mais exigente quanto a filmes de terror. Detesto as obras atuais que só usam de efeitos de computador para fazer coisas nojentas, sou muito mais fã de filmes antigos que usavam de bonecos, jogos de sombra, efeitos de câmera e outros recursos para causar medo, eram muito mais palpáveis. A limitação sempre força a criatividade. O sub-gênero trash é um dos mais divertidos, pois ele é tão galhofa que nem os produtores o levam a sério. Existem alguns games de terror que são muito interessantes, o primeiro que eu vi foi RESIDENT EVIL, mas o que mais me pregou na cadeira foi SILENT HILL. A primeira fase onde você foge das criaturas até o beco sem saída e acaba morrendo é de enlouquecer (sem falar a trilha sonora sinistra).

MEDO REAL

Acho que todo mundo já passou por alguma situação na vida em que pensou “Fudeu! Chegou a minha hora!”. Quando você passa por uma situação onde sente um medo real, perigo de morte mesmo ou mesmo quando passa por algo sobrenatural, é algo assustador. Eu já passei por situações bem sinistras, algumas delas que até hoje não encontrei explicações. O medo é uma ferramenta de controle, um bom exemplo é na infância quando os pais contam histórias de monstros para que os filhos se comportem. Existe o medo que se refere a alguma coisa direta e real, e a aflição que é uma tensão por algo desconhecido, uma ansiedade e insegurança imediata.

Acredito que as pessoas gostam do terror pela adrenalina segura que ele proporciona, pela tensão imediata e o alívio que vem depois. Aproveite que hoje é Halloween, junte uns amigos fantasiados e faça aquela sessão de filmes de terror para celebrar ou jogue aquele game aterrorizante no escuro com fones de ouvido. Boa diversão!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s