GATOS

Há muito tempo os homens aprenderam a adestrar os animais, seja para ajudar no trabalho ou mesmo para companhia. Faz pouco tempo eu ganhei dois novos hóspedes em casa: os gatos Dina e Léo. É incrível como pequenos animais podem mudar tanto nossa vida.

Quando morava com meus pais, os únicos animais que eu tive foram um peixe que morreu de frio e um tamagoshi (que eu usava de relógio). Quando morei sozinho em 2006, havia ganhado uma gata filhote a qual dei o nome de Kitty (que original…). Na semana em que ganhei Kitty, eu estava participando de uma feira do livro na minha cidade, e ficava fora o dia todo, tendo que dar atenção a Kitty só a madrugada (que ela me roubava clamando atenção). Ela era muito inteligente, por exemplo: uma vez eu havia colocado uma areia molhada na caixa de areia dela, então ela pegou o jornal que ficava abaixo da areia e cobriu a mesma para fazer as necessidades! Infelizmente, após uma semana eu precisei viajar e tive que devolver ela ao amigo que havia me dado – cerca de três meses depois ela morreu atropelada.

Léo (coleira amarela) e Dina (coleira rosa).

Faz algum tempo a ideia de um mascote vinha me rondando a cabeça, então uma prima minha disse que sua gata estava prenha. Infelizmente, todos os filhotes foram mortos após nascerem por um gato de rua. Sabendo disso, uma amiga da minha mãe me ofereceu um dos gatos que haviam nascido em uma ninhada de uma das suas gatas (ela tem muuuuitos gatos em casa). Eu então fui lá e escolhi um pequeno macho de pelo escuro e uma mancha branca abaixo do pescoço – Este foi meu primeiro contato com o Léo. Trouxe ele pra minha casa em uma caixa, e até a madrugada eu consegui a confiança dele. No outro dia, a dona da mãe dele ligou dizendo que ela ainda o estava amamentando e surtou sem seu filhote, assim tive que devolver o Léo.

Algumas semanas depois, uma tia minha ofereceu para minha irmã uma gata filhote de pelagem toda negra, a qual minha irmã deu o nome de Dina (nome da gata da Alice do País das Maravilhas). Nos principio ela estava receosa, mas em pouco tempo se afeiçoou a todos da casa. Meus pais estavam passando uns dias por aqui e ficaram encantados com a pequena (até meu pai que era meio contra o animal se divertia horas com ela). A Dina tinha suas peculiaridades, como por exemplo surtar na madrugada, saltando por toda parte. Ela insistia em querer dormir na minha cama ou na da minha irmã, mas tivemos que ensina-la a dormir em sua própria cama (o que levou um tempinho).

Cerca de três meses depois, quando já estávamos adaptados a Dina e criando uma rotina, eis que a dona de Léo ressurge com o mesmo em nossa porta. O peguei no carro dela em uma caixa frágil, e tive que lutar arduamente contra ele que se debatia na caixa tentando fugir – Na porta de casa ele conseguiu. Corri todo o quintal atrás dele (meu quintal é enorme) e tive sorte dele ficar preso numa cerca de grade. Agarrei ele com as mãos, e no caminho até a porta de casa ele virou o capeta! desferindo vários cortes em minhas mãos e mordendo meu polegar direito (que resultou em consultas médicas em outa cidade, uma dose de vacina anti-tetânica  e duas de anti-rábica). Léo quando chegou era muito arisco, e levou tempo para se adaptar – Sem falar que ele não havia ganhado a amizade de Dina (que é mais velha), que o agredia e o fazia “bullying” (correndo e saltando por cima dele).

Hoje em dia os dois já se entendem, e a Dina já trata o Léo como seu filhote. Eles vivem saltando e aprontando juntos toda hora, o que causa uma grande dor de cabeça as vezes. Eles são muito dóceis e carinhosos, sendo uma excelente companhia de trabalho (sem falar que são fotogênicos a beça). Animais de estimação mudam a rotina da casa, é necessário uma grande dose de paciência no começo, mas com certeza vale a pena.

Anúncios

7 Respostas para “GATOS

  1. Ehehehe… Nunca tive gatos apenas cães e um pato/ganso/marreco/seilá. Bichos são curiosos mesmo. Gosto das reações deles em diversas situações. O cachorro que temos lá em casa tem medo terrível das pessoas e fica olhando as cachorras do vizinho debruçado no muro entre outras coisas.

    • Exatamente, os animais tem uma personalidade própria e as demonstram de maneira inusitada várias vezes nas situações mais diversas.

  2. ai muito bom termos companheiros como nosso bichinho de estimação ;;eu nao tinha mas era como se fosse meu pois o toby chegou na casa de minha cunhada com 45 dias eu ainda mora va la ;foi uma convivencia linda;pois adova passear com ele embora eu sei q coloquei ele tbem em muitos apuros ;kk tadinho mas ta valendo ;;estes gatinhos tbem sao lindinhos mas teem cara de levados bjos

  3. Pingback: FRODO E EU « RÓDJER GOULART BLOG

  4. Pingback: ATÉ OS GATOS MORREM | RÓDJER GOULART BLOG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s