SAGAS: O EXTERMINADOR DO FUTURO (PARTE 1/2)

Quando se pensa em filme de robôs, a primeira imagem que nos vem à mente é do nosso “Governator” Arnold Schwarzenegger na série Exterminador do Futuro. Ícone do cinema foi um divisor de águas com sua trama de viajem no tempo e seus efeitos visuais fantásticos, gerando uma série de quatro filmes e várias outras proles.

O primeiro Exterminador do Futuro (The Terminator) chegou aos cinemas no ano de 1984, e mostra o soldado Kyle Reese (Michael Biehn) que foi enviado de um futuro pós-apocalíptico onde os homens e as máquinas estão em guerra para o ano de 1984 a fim de impedir que um ciborgue (Schwarzenegger) enviado pelas máquinas para esta data mate Sarah Connor (Linda Hamilton), a mãe do futuro líder da resistência humana na guerra.

James Cameron levou a frente este filme, que possuía alguns efeitos stop-motion que provocam risos hoje em dia, mas que na época eram impressionantes. O orçamento foi apertado, e mesmo assim o filme conseguiu ser um marco na ficção-científica. Arnold estava na verdade cotado para ser Kyle Reese, e O. J. Simpsons chegou a ser cotado para o papel do exterminador. Segundo Cameron, ele queria que o ciborgue fosse um sujeito comum para passar despercebido pelos humanos – por sorte mudaram de ideia pois Schwaza queria o papel do exterminador, que teria mais destaque.

No ano de 1992 chega à sequência O Exterminador do Futuro 2 – O Julgamento Final (Terminator 2 – The Judgment Day). Este filme conseguiu superar o segundo, expandido mais da trama complexa que poderia ser arruinada, devido a isso conseguiu arrecadar 520 milhões no cinema – seu investimento foi de 102 milhões, 96 a mais que o primeiro, se tornando um dos filmes mais caros da época. Agora as máquinas enviam um robô avançado de metal líquido do modelo T-1000 (Robert Patrick) para assassinar o futuro líder da resistência humana John Connor, que é um adolescente. Os humanos enviam para impedir isso um T-800 idêntico ao que havia sido enviado no passado para assassinar a mãe de Connor, mas desta vez ele está reprogramado para proteger o garoto. O “Julgamento Final” do título se refere ao dia em que a Skynet (Inteligência Artificial líder das máquinas) bombardeia o planeta com bombas atômicas para destruir a humanidade. Neste filme a data fatídica seria 29 de Agosto de 1997.

Este filme levou a estatueta do Oscar de edição de som, mixagem de som, maquiagem e efeitos especiais, graças à tecnologia empregada nos efeitos do T-1000, que impressionam até os dias de hoje. O robô T-1000 quase foi feito pelo cantor Billy Idol, que (graças a Deus) ficou impossibilitado de fazer por um acidente de moto, dando papel ao ator Robert Patrick que fez um trabalho excelente. Em uma cena, T-1000 fica com a aparência igual a de Sarah Connor, e para poder ter duas Sarahs em cena, usaram a irmã gêmea de Linda (ela é sempre a que está mais longe da câmera na cena). Na trilha sonora havia a musica “You could be mine” da banda Gun’s Roses, que estava no auge do sucesso na época (até fizeram um vídeo clipe com a participação de Schwaza).

O Exterminador do Futuro 3 – A Rebelião das Máquinas (Terminator 3: The Rise of the Machines) foi lançado no ano de 2003,  e na minha opinião é o mais fraco dos filmes (mesmo rendendo 427 milhões e custado 175). Neste filme as máquinas enviam uma ciborgue mulher (?) do modelo T-X para eliminar John Connor e vários homens que viriam ser valiosos oponentes no futuro para as máquinas. Os humanos enviam um T-850 (sim, com a cara do “Governator”) para proteger John Connor e Katherine Brewster (quer viria a ser esposa de Connor no futuro).

Diferente do segundo filme para o primeiro que conseguiu surpreender a plateia, o terceiro filme foi mais do mesmo. A “Terminatrix” é infinitamente pior que o T-1000, sendo que é feita de metal comum com algumas armas embutidas nos braços e metal líquido revestindo o corpo. A única coisa interessante foi eles mostrarem que não importa as interferências feitas com as viagens no tempo, o futuro sempre vai acabar acontecendo da mesma maneira.

Na segunda parte deste post sobre a saga dos Exterminadores falarei sobre o quarto filme, o seriado, os jogos e todas as coisas que vieram da franquia. Como diria o T-800: “I’LL BE BACK!”

Anúncios

4 Respostas para “SAGAS: O EXTERMINADOR DO FUTURO (PARTE 1/2)

  1. Pingback: SAGAS: O EXTERMINADOR DO FUTURO (PARTE 2/2) « RÓDJER GOULART

  2. Pingback: ANIVERSÁRIO DE 2 ANOS DO BLOG « RÓDJER GOULART BLOG

  3. Pingback: LOOPER E A ORIGINALIDADE NO CINEMA | RÓDJER GOULART BLOG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s