STEAMPUNK – FANTASIA A VAPOR

Sempre fui atraído por cenário de ficção-científica, dos mais diversos tipos, porém um deles sempre me foi curioso – o SteamPunk. Até então eu tinha apenas uma base sobre o tema, e mesmo assim o usei, porém decidi fazer uma pesquisa mais aprofundada e descobri coisas muito interessantes.

SteamPunk foi um subgênero de ficção-científica de passado futurista, onde as máquinas e engenhocas usam engrenagens e vapor como combustível (daí o “steam”).  Este termo nasceu no livro “The Difference Engine” de Bruce Sterling e William Gibson (este último, considerado o pai do subgênero CyberPunk). O cenário padrão para o mundo de ferro e vapor é a Era Vitoriana, época onde a humanidade dava os primeiros passos ao desenvolvimento da tecnologia, com invenções como a lâmpada, refrigeradores, telégrafos. Era o berço da revolução industrial, que mais tarde viria a causar um grande baque no mundo inteiro com máquinas substituindo homens nas grandes indústrias.

Existem muitas obras clássicas do gênero SteamPunk, como as do escritor Júlio Verne “20.000 léguas submarinas”, “Viagem ao Centro da Terra”, “Da Terra a Lua” e tantas outras. Outro grande exemplo é H. G. Whells com obras como “Guerra dos Mundos”, “A Máquina do Tempo” e “O Homem Invisível”. Ambos os escritores viveram na era Vitoriana, e logo seus contos usavam como base a ciência e tecnologia da época. Muitos contos de horror gótico como “Frankenstein” de Mary Sheely e “O Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde” de Robert Louis Stevenson e até “Dracula” de Bram Stoker possuem influência do SteamPunk.

Hoje em dia, podemos encontrar este gênero em diversas mídias diferentes. Temos animes como “Fullmetal Alchemst” e “Escaflowne”, games como “Final Fantasy” e “Wild Arms”, quadrinhos como “A Liga Extraordinária” (esqueça o filme, por favor), livros como “Dinotopia” seriados antigos como “James West” (que deu origem ao filme com Will Smith “As Loucas Aventuras de James West” – a meu ver é um filme regular) e filmes como “O Grande Truque”, “A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça” e “Sherlock Holmes”.

No RPG temos muitos sistemas e suplementos inteiros baseados neste tema, “Castelo Falkenstein“ é um bom exemplo. “Magos – A Cruzada dos Feiticeiros” leva os jogadores de Storyteller a um mundo onde a magia é mais forte que dos dias de hoje e a tecnocracia da seus primeiros passos. Para D20 temos “Reinos de Ferro” com a fantástica “A Trilogia do Fogo das Bruxas”, e também o cenário “Eberron”.

No universo da minha revista, “Dragão Escarlate”, Existe uma área do Reino Mágico de Arkanum que foi amaldiçoada a ter a manipulação do mana (energia para magias) prejudicada par quem quer que fosse. Com o passar do tempo, os residentes destas terras começaram a desenvolver engenhocas e aparatos para poderem suprir suas necessidades sem o uso da magia direta. Ben Ankh, protagonista da história nasceu nestas terras.

Enfim, de uns tempos pra cá o gênero vem ganhando força a todo vapor (piadinha evidente). No Brasil existe até o “Conselho SteamPunk”, que reúne fãs deste gênero por todo o Brasil que chegam a se caracterizar com roupas e “engenhocas” (assim como os cosplayers). Creio que este termo que sempre esteve presente vai finalmente ganhar o destaque merecido, e alavancar como uma grande locomotiva a vapor, talvez se tornando a definição de fantasia da nova geração.

Anúncios

5 Respostas para “STEAMPUNK – FANTASIA A VAPOR

  1. O Grande Truque = SteamPunk?
    A tecnologia da época sim, era a vapor..mas as engenhocas apresentadas não =p Na verdade nem foi explicado…considero obras do genero SteamPunk aquelas cujo tema CENTRAL é a tecnologia a vapor. Cujo fator não encontramos em “O Grande Truque”. Acredito que está valendo paro o Sherlock Holmes devido ao fato de a arma desenvolvida pelo “chefão final” se utilizar desse artíficio.
    Mas ba..afu o post, vai me dar uma mãozinha nas minhas engenhocas ;D
    abs

  2. “O Grande Truque” trás elementos que o incluem nessa lista de filmes. Em nenhum momento eu classifico a lista como filmes onde o tema central é a tecnologia a vapor.

  3. Aprecio bastante também o Steampunk, na verdade eu acho que gosto de toda literatura nerd que tem terminação punk no nome 🙂 a trilogia do Sprawl de William Gibson que o diga.
    Gostei do post, apesar de já saber muito do que você comentou (não estou sendo arrogante ^^) ele informa quem bem quem nunca ouviu falar do assunto.
    Tem um jogo que você poderia ter comentado, talvez por não conhecer não o fez. O nome é Arcanum Of Steamworks and Magick Obscura, não gosto muito dele, porém a jogabilidade é ótima deveria conferir se puder.

  4. Pingback: DISHONORED | RÓDJER GOULART BLOG

  5. Pingback: CYBERPUNK–FUTURO UNDERGROUND | RÓDJER GOULART BLOG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s